Pesquisar Manifestações Culturais
Busca:    

NomeIVORÁ
Emailgabinetepmivora@yahoo.com.br
Telefone55 3267 1100
Telefone Secundario55 3267 1095
Habitantes(Zona Rural)1638
Habitantes(Zona Urbana)740
Site-
HistoricoEm 25 de setembro de 1883 foram distribuídos lotes coloniais e assentadas as primeiras famílias de imigrantes italianos. Inicialmente esses lotes foram chamados de Núcleo Norte, porque estavam localizados ao norte de Silveira Martins, sede da colonização italiana. Mais tarde, passou a denominar-se Nova Udine homenageando os colonizadores que vieram de Udine, na Itália. Em 01 de janeiro de 1939, passou à categoria de Vila com o nome de Ivorá, nome indígena que significa “Rio da Praia Formosa”. Em 1960, surgiu a idéia da emancipação, que agregou algumas lideranças comunitárias. A idéia foi aos poucos sendo amadurecida e, em 1981, foi eleita uma Comissão Emancipacionista. Em 1986, o trabalho ganhou novo impulso com a conscientização da comunidade. O plebiscito estava marcado para o dia 20 de setembro de 1987, mas houve um recurso junto ao Supremo Tribunal Federal, sustando-o. O problema foi contornado, alterando-se a área proposta originalmente. Foi marcado novo plebiscito e realizado no dia 10 de abril de 1988, com esmagadora vitória do SIM. Finalmente Ivorá é um dos novos municípios do Estado do Rio Grande do Sul. A economia de Ivorá é baseada no binômio agricultura-pecuária. As principais culturas desenvolvidas são o fumo, soja, milho, feijão, forrageiras como a aveia, azevém e trigo usado no pastejo de animais, como grão para consumo (trigo) e como base para o plantio direto. Apresenta também uma área considerável com espécies exóticas como o eucalipto, que é utilizado para a construção civil (madeira), como fonte de energia (lenha) e para fins de reflorestamento, hoje está se utilizando espécies nativas para este fim (reflorestamento). Há uma área expressiva de frutíferas como citros, videiras, pessegueiros e outras as quais são destinadas ao consumo de subsistência, comercializadas “in natura” ou agro industrializado na forma de sucos, vinhos, compotas, geléias e doces. O turismo em Ivorá destaca-se por suas belezas naturais, por seu relevo e vegetação que formam paisagens belíssimas que podem ser contempladas do alto de vários morros. O Monte Grappa, um dos pontos mais visitados. É um acidente natural de beleza única que proporciona ao turista, momentos de paz e tranqüilidade e também belas visões da redondeza; existe uma “Via Sacra” (desde o início do caminho até o topo), um capitel construído pelos primeiros moradores de Ivorá, um Santuário a Nossa Senhora de La Guardia e vários mirantes de onde se pode avistar, em dias de “atmosfera limpa,” as cidades de Faxinal do Soturno, São João do Polêsine, bem ao longe Restinga Seca e Ivorá; A Cruz Luminosa, o CTG Centelha do Imigrante, e muito ao longe a BR 158 em Val de Serra direção Júlio de Castilhos. Os principais pontos turísticos da cidade são a Casa Alberto Pasqualini que se constitui da casa-museu onde nasceu o mais ilustre filho desta terra o Senador Alberto Pasqualini, a Praça Central, o Conjunto Arquitetônico da Matriz com o Memorial das Águas e o Morro da Cruz e o CTG nas imediações da cidade. No meio rural, Ivorá possuí lindas cascatas, um abrigo indígena, um balneário, uma agroindústria e três cantinas, além de belas capelas e capitéis espalhados por todo o município. Ivorá possui três trilhas de ecoturismo formatadas e recebendo turistas sob reserva e também faz parte da Rota Gastronômica da Quarta Colônia. Na cultura, o município busca preservar as raízes dos primeiros imigrantes, através da gastronomia, da música, do canto e da língua. Perseguindo tais objetivos, Ivorá conta com um coral infanto-juvenil, um coral adulto, um grupo que canta músicas italianas e populares, um grupo de danças folclóricas gaúchas nas modalidades pré-mirim, mirim e juvenil, uma biblioteca pública e um museu constituído de objetos e utensílios dos primeiros moradores da vila que deu origem ao município. Os eventos mais tradicionais do município são as festas religiosas promovidas pelas comunidades e pela matriz, os rodeios crioulos promovidos pelo CTG, a Semana Farroupilha e Cultural, a Feira Regional da Abóbora, a Feira Regional do Amendoim e as Cantatas Natalinas. (fonte: Plano Local de Habitação de interesse social)
Renda182,283
EscolaridadeEnsino Médio
Nivel de EscolaridadeEnsino fundamental
Faixa Etária 15 a 19